Emanuel E a Sua Gastrite

PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA MESMO
…………………………………………………………………
Emanuel E a Sua Gastrite
( Reynollds Augusto)
 
Sabe leitor, tem gente que não acredita, mas a grande parte dos nossos distúrbios orgânicos tem relação com as nossas emoções desequilibradas. São as chamadas doenças psicossomáticas, por isso é importante o “cabra” está de bem com a vida, sabendo lidar com os acontecimentos, pois depois de um problema prepara-se para o outro.
Tudo Isso faz parte da condição do nosso planeta que, segundo os imortais, está na categoria do “de provas e expiações. Por vezes nós somos o problema sendo preciso “desconfiômetro” para identificar o processo e mudar de direção. Umas doses de evangelho por dia, cura tudo.
No “inicio dos tempos”, na comarca de Itaporanga, só haviam maquinas de “tec, tec”, de datilografia, sequer desconfiamos que o nosso espaço fosse virar “realidade digital”. Isso é caminho sem volta, sendo um processo que se aprimorará com o tempo. Ótimo para a agilidade e efetividade processual, excelente para a natureza. Muitas árvores deixarão de ser derrubadas para serem transformada em papeis. Mais vida, mais ar puro, menos poluição.
Um só clique e um mandado de prisão é enviado, de Brasília, São Paulo… em questão de segundos. São os novos tempos. Viramos “uma aldeia global” e vem mais por aí.
Lembro-me que, quando da distribuição dos mandados , na Comarca de Itaporanga , havia um sorteio e o Oficial de Justiça sorteado, a algum processo, ficaria com ele até a sentença final. Da petição inicial á sentença. Dava para conhecer e se inteirar do fenômeno jurídico pontual. O bom disso é que havia uma eficiência no andar processual, pois o meirinho conhecia as partes, as testemunhas, os advogados, a “celeuma” todinha, ficando fáceis as comunicações. Dava até para exercer uma função antiga que acompanha o Oficial de Justiça a de “Psicólogo e conciliador.”
Hoje a coisa mudou. Os mandados são distribuídos eletronicamente. Houve um ganho, inteligente: o zoneamento da comarca. Isso facilitou mais e não deixa o Oficial de Justiça visado, pelas partes, a realizar as suas diligencias praticamente sozinho, nas quebradas do sertão poético.
 
Nunca se sabe! Decidir é “fácil”, materializar as decisões é que são elas.
 
O meu colega Emmanuel, da distribuição, sempre teve problema estomacal e, pela observação, notou que ela se agravava quando da relação com o”nobre colegiado”de meirinhos. ( risos) Era ele que, no inicio, fazia a distribuições dos atos judiciais aos Oficiais de Justiça e sempre havia “brigas”. Principalmente com o nosso saudoso José Neto, um dos Oficiais mais antigos da comarca e que se queixava de que Emanuel escolhia os mandados mais difíceis para ele e que a vida iria castigá-lo.
 
Não adiantava racionalizar e Emmanuel, para botar lenha na fogueira, dizia que o fazia, pois ele era o Oficial de Justiça mais experiente e tinha mais capacidade de resolver as encrencas.
 
– Cabra safado! Dizia.
 
Era uma “briga” boa. O outro, José de Araujo, nem se fala.
Mas, são muitas estórias. Disse a Emanuel que ele está se tornando personagem do meu primeiro livro da série “Pense Nisso”. Vai estar no PENSE NISSO I, A VIDA EM MOVIMENTO.
 
Há muito que Emanuel não distribuía mandados aos Oficiais de Justiça. Mas, o grande VILALDO, o titular, precisou tirar férias e a distribuição caiu, novamente, em suas mãos. Notei que ele ficou triste relembrando da sua senhora gastrite que, com certeza, voltaria a dar o ar da graça. Mas, ele passou pelo teste. Nem estava Zé Neto e Zé Araujo conosco, pois seguiram os seus destinos,pois estamos sempre de passagem e nos despedindo, sendo tudo impermanente. Só o espírito é imortal e segue á frente.
 
PENSE NISSO! MAS PENSE AGORA MESMO

www.pensenissoitaporanga.blogspot.com

A imagem pode conter: 1 pessoa, sentado, tela, escritório e área interna
Emanoel Claudino
Emanoel Claudino Rey, é um prazer fazer parte da família do TJ de nossa cidade e trabalhar com os doze oficiais de justiça. Zé Neto e Zé Araújo não estão mais trabalhando conosco, mas o Carlinhos e Rivaldo os substituíram muito bem. O Zé Neto era um amigo muito querido.

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *