O Trabalho Forma As Riquezas

1ACPENSE DIREITOPENSE NISSO! MAS PENSE DIREITO

…………………………………………………………………………….

O Trabalho Forma As Riquezas

(Reynollds Augusto)

Sabe leitor, uma boa dica de leitura para esse meio de semana, que vou indicar, trata-se do capítulo III de O LIVRO DOS ESPÍRITOS, que aborda da lei do Trabalho, fazendo parte do “Direito de Deus”, do Direito Natural, que a academia trata com menos relevância.

Há um direito anterior, preexistente, cuja causa é Deus, que é a inteligência suprema do universo, causa primária de todas as coisas. Ele move as nossas vidas sendo por isso que “tudo está certo”, pois Deus não erra, nem cochila e tudo que nos acontece de maneira pontual ou geral, representa a aplicação de outra lei natural, a de causa e efeito.

O capítulo enfoca a necessidade de trabalho, que é lei da natureza, sendo uma necessidade para toda civilização, que é obrigada a trabalhar cada veze mais á medida que aumentamos as nossas necessidades e gozos. O danado é que o homem, aquém da sua essência espiritual, vive criando desnecessidades e assim o planeta não vai aguentar.

3EscravidãoOs imortais asseveram que trabalho não só se refere às ocupações materiais, pois o espírito trabalha tanto quanto o corpo e arremata dizendo que toda ocupação útil é trabalho.

Diz mais, que o trabalho é uma imposição natural por ser exatamente condizente com a natureza do homem, sendo expiação, uma espécie de penalidade e também um meio de aperfeiçoamentos. Sem o trabalho o homem permaneceria sempre na infância, quanto á inteligência.

Como o nosso planeta é extremamente material, nós ainda somos espíritos grosseiros, a natureza do nosso trabalho ainda é dura. Mas há planetas que o trabalho é menos material, pela condição mais evoluída dos seus habitantes. Viver sem trabalhar é um suplício e foi por isso que Jesus, um dos agentes de Deus, que veio ao planeta Terra nos ensinar os reais valores da vida, ensinara: “Meu Pai trabalha até hoje e eu também”.

Tem religião por aí, iludindo os incautos, prometendo mundos e fundos sem o esforço pessoal, a pretexto de fé. Cuidado!.

Mas a humanidade, pelo menos uma pequena parte, não entendeu, ainda, o valor do trabalho à evolução do espírito. É que antes o trabalho era tido como se fosse um castigo e seria coisa reservada aos escravos. Somente o servo trabalhava.

Quando estudamos o Direito do Trabalho identificamos que essa expressão advém do latim “tripalium”, que era um instrumento para torturar animais.

O grande Platão, que trouxe a lume, as ideais de Sócrates, um dos precursores do cristianismo, que como Jesus, foi um peripatético (ensinava andando), chegou a defender que os homens livres não deveriam trabalhar para se dedicarem á filosofia, a música, ás artes. Hoje em dia isso é contravenção penal, a tal da vadiagem.

O trabalho é tão importante que hoje corremos para encontrar algum que nos permita um lugar ao sol. Estão aí os concursos da vida, que são oportunidades para se ter uma vida mais tranquila, pelo menos estável. Claro que sem o devido equilíbrio remuneratório, pois ainda existem os privilégios das funções, coisa que se acabará no tempo da maturidade social.

A força do trabalho é também que movimenta o setor privado. A mão de obra qualificada é a geratriz para o progresso. E pensar que o Direito do Trabalho é um dos ramos mais novos do Direito.Surgiu depois que começou a se evidenciar a exploração do homem pelo homem, sendo que o Estado começou a regular essas relações para tentar coibir abusos.

O nosso governo, em exercício, brada que fará uma reforma trabalhista, sendo um tema delicado, pois há a perspectiva de alteração dessa legislação, que foi conquista de muito suor e lágrimas, para evidenciar a supremacia da negociação coletiva a prevalecer sobre a legislação. O esteiro seria a crise econômica e nessa relação “negocial” só quem perde é o trabalhador, pois no direito laboral, não existe isonomia entre as partes.

PENSE NISSO! MAS PENSE DIREITO

E vamos todos trabalhar.

Leave a Comment

Filed under Sem categoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *